Governo pretende acabar com pagamento de 10% da multa do FGTS

Governo pretende acabar com pagamento de 10% da multa do FGTS

Em nova medida estudada pelo Congresso, o governo pretende dar fim ao pagamento da multa de 10% do FGTS . O intuito é evitar a paralisação de ministérios.



Uma nova medida está em análise pelo Congresso, na qual o governo pretende o fim do adicional de 10% referente a multa rescisória do FGTS pago pelas empresas. A multa foi criada durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, como meio de diminuir os prejuízos deixados pelos planos econômicos Verão, em 1989, e Collor I, em 1990.
Atualmente, as empresas devem pagar 50% de multa em caso de demissões: 40% do valor vai para o trabalhador e 10% são direcionados para os cofres da União, que repassará as quantias para a administração do FGTS. Os 10% pagos pelas empresas correspondem a um total de R$ 5,4 bilhões anuais.
Sendo assim, o fim da multa irá gerar um espaço para aumento das despesas e ainda cumprir o teto de gastos, fato limitador do crescimento das despesas ligado à variação da inflação. Isso ocorre devido a multa de 10% entrar no Orçamento como receita, mas ser classificado posteriormente como gasto obrigatório, visto que a União deverá pagar o FGTS.

Redução de Despesas Obrigatórias

A intenção da equipe econômica é encontrar meios de diminuir as despesas obrigatórias, como pagamento de aposentadorias, salários e pensões. Com isso, o intuito é de não ocorrer um maior prejuízo em relação as despesas com custeio e investimentos, conhecidas tecnicamente como discricionárias.
Uma nova proposta será enviada ao Congresso ainda esta semana, na qual prevê um orçamento de apenas R$ 85 bilhões para gastos com custeio e investimento em 2020. Esse nível já considerado extremamente baixo para que os ministérios continuem com a oferta de programas e serviços.
Este é um quadro semelhante ao vivenciado pela Esplanada. Contudo, possui o agravante de que o próximo ano já se iniciaria nessa condição. O contingenciamento bloqueou R$ 34 bilhões da verba disponível, colocando ministérios e órgão em situações delicadas, a caminho de uma paralisação. Este quadro é conhecido como “shutdown”, no qual ocorre um desligamento de alguns serviços em diversas agências reguladoras, ministérios e na Receita Federal.
Assim, a equipe econômica tem buscado formas para revisar as despesas obrigatórias e aumentar os gastos discricionários para cerca de R$ 100 bilhões em 2020. Em contra partida, há um risco de descumprimento do teto em 2020, quatro anos após sua vigência.


Veja também: Receita Federal poderá cancelar restituição do IR e emissão de CPF.

Adicional de 10% do FGTS

A multa de 10% é cobrada para compensar o FGTS de perdas judiciais. Entretanto, de acordo com a área econômica, a cobrança do adicional já não possui mais o mesmo objetivo. Quando o teto de gastos foi estabelecido, as despesas com o repasse de valores estava incluído nas contas. Assim, houve a inserção deste gasto no teto.
Contudo, com a eliminação do adicional, o Orçamento perderá a receita. Porém, irá eliminar a obrigação de repasse dos recursos ao FGTS. Atualmente, os recursos adquiridos por meio da multa e despesa, repassada ao FGTS, apenas transita pelo Orçamento, sem gerar resultados nas contas públicas.

Correção do salário mínimo de acordo com Inflação

Outra proposta de Orçamento estabelece que a correção do valor do salário mínimo seja feita apenas pela inflação, não considerando reajustes em salários de servidores públicos. Com isso, a previsão é que as despesas obrigatórias no projeto de lei orçamentária ganhe entre R$ 10 bilhões a R$ 12 bilhões de economia com as despesas, caso a reforma da Previdência seja aprovada.
Próximo ao envio do projeto de Orçamento para 2020, o clima na Esplanada é de tensão visto a possibilidade de um maior corte de gastos. A maior preocupação é em relação ao teto de gastos, que deverá crescer apenas 3,37% em 2020, enquanto os fastos obrigatórios estão aumentando de modo mais acelerado.
Além disso, o aumento das demais despesas também tem diminuído o gastos com custeio e investimentos. Os gastos com precatórios, pagamentos que devem ser realizados pela União após sentenças definitivas na Justiça, devem crescer R$ 12 bilhões no próximo ano.


Por Ana Flávia Gonzaga 



Nos do ( GVC ) Grupo Virgulino de comunicação resguardamos todos os nomes das fonte sobre sigilo absoluto, assumindo a responsabilidade até perante o STF, amparado no código de Ética dos Jornalistas que fixa as normas a que deverá subordinar-se a atuação do profissional nas suas relações com a comunidade, com as fontes de informação e entre jornalistas. Do Direito à informação :
  • Art. 1° – O acesso à informação pública é um direito inerente à condição de vida em sociedade, que não pode ser impedido por nenhum tipo de interesse.
  • Art. 2° – A divulgação da informação, precisa e correta, é dever dos meios de divulgação pública, independente da natureza de sua propriedade.
  • Art. 3° – A informação divulgada pelos meios de comunicação pública se pautará pela real ocorrência dos fatos e terá por finalidade o interesse social e coletivo.
  • Art. 4° – A apresentação de informações pelas instituições públicas, privadas e particulares, cujas atividades produzam efeito na vida em sociedade, é uma obrigação social.
  • Art. 5° – A obstrução direta ou indireta à livre divulgação da informação e a aplicação de censura ou autocensura são um delito contra a sociedade.Da Conduta Profissional do Jornalista
  • Art. 6° – O exercício da profissão de jornalista é uma atividade de natureza social e de finalidade pública, subordinado ao presente Código de Ética.
  • Art. 7° – O compromisso fundamental do jornalista é com a verdade dos fatos, e seu trabalho se pauta pela precisa apuração dos acontecimentos e sua correta divulgação.
  • Art. 8° – Sempre que considerar correto e necessário, o jornalista resguardará a origem e a identidade de suas fontes de informação.
  • Art. 9° – É dever do jornalista:
  • – Divulgar todos os fatos que sejam de interesse público;
  • – Lutar pela liberdade de pensamento e expressão;
  • – Defender o livre exercício da profissão;
  • – Valorizar, honrar e dignificar a profissão;
  • – Opor-se ao arbítrio, ao autoritarismo e à opressão, bem como defender os princípios expressos na Declaração Universal dos Direitos do Homem;
  • – Combater e denunciar todas as formas de corrupção, em especial quando exercida com o objetivo de controlar a informação;
  • – Respeitar o direito à privacidade do cidadão;
  • – Prestigiar as entidades representativas e democráticas da categoria.
O site oncanews.tv.br não tem nenhum vínculos político, portaria ou até mesmo família com portaria na prefeitura, nós do site estamos a disposição da população sem rabo preso com ninguém, sem medo de falar a verdade que os leitor quer saber.

OBSERVAÇÃO:  O vídeo e foto recebemos de fonte segura.

Redação do "GVC" GRUPO VIRGULINO DE COMUNICAÇÃO
Matriz cascavel, filial em Toledo ( PR ) e filial em Vilhena ( RO )
FONE: 45 99906-3411 WhatszApp
Revista viver Model'Mix
Revista viver bem mais O AgroNegócio
Revista viver bem Mais´Social
Jornal impresso OnçaNews 
Agencia de publicidade V'news
Estúdio TV LAMPIÃO

- EDITORA e sócio do GVC Dra. Luciana S.
- EDITORA e Sócio do GVC Dra. Lucineia S.S
- JORNALISTA E DIRETOR DO GVC JRV.VIRGULINO DRT 0011657 / PR